REEMERGÊNCIA DE FEBRE AMARELA NO ESTADO DE MINAS GERAIS E FATORES ASSOCIADOS

Matheus Costa Cabral

Resumo


Introdução: A febre amarela é uma doença infecciosa causada pelo protótipo do membro da família Flaviviridae. O Brasil, particularmente Minas Gerais, apresentou aumento significativo na taxa de incidência de casos suspeitos e confirmados de febre amarela de dezembro de 2016 até maio de 2017. Objetivo: Realizar um diagnóstico situacional do aumento na incidência de casos de febre amarela e correlacionar esse aumento às características ambientais e sociodemográficas do estado de Minas Gerais. Métodos: Realizou-se uma busca de artigos científicos para embasamento teórico nos sites ScIELO e PubMed. Foram utilizados dados epidemiológicos do Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (COES), fornecidos pela Secretaria de Vigilância em Saúde. Resultados: Torna-se evidente o número expressivo de casos confirmados e em investigação de febre amarela, bem como maior número de óbitos notificados por essa causa no estado de Minas Gerais em relação aos demais estados brasileiros. O estado de Minas Gerais possui algumas condições que representam as prováveis causas do aumento expressivo da incidência de febre amarela, sendo elas: susceptibilidade imunológica, condições climáticas favoráveis, possível surgimento de uma nova linhagem genética do agente etiológico e maior circulação de pessoas e macacos infectados pelo vírus. Conclusão: Entender os fatores associados à reemergência de febre amarela é de suma importância para a implementação de um programa efetivo de vigilância visando prevenir a replicação do vetor e do agente etiológico.


Palavras-chave


febre amarela; incidência de febre amarela; vacinação contra febre amarela.

Texto Completo:

PDF

Referências


Almeida MAB, Cardoso JC, Santos E, Fonseca DF, Cruz LL, Faraco FJC et al. Surveillance for yellow fever virus in non-human primates in Southern Brazil, 2001–2011: a tool for prioritizing human populations for vaccination. PLoS Negl Trop Dis, mar. 2014; 8(3):1-7.

Goenaga S, Fabbri C, Dueñas JC, Gardenal CN, Rossi GC, Calderon G et al. Isolation of yellow fever virus from mosquitoes in Misiones province, Argentina. Vector Borne Zoonotic Dis, nov. 2012; 12(11):986–993.

Jentes ES, Poumerol G, Gershman MD, Hill DR, Lemarchand J, Lewis RF et al. The revised global yellow fever risk map and recommendations for vaccination, 2010: consensus of the Informal WHO Working Group on Geographic Risk for Yellow Fever. Lancet Infect Dis, aug. 2011; 11(8):622–632.

Kaufmann B, Rossmann MG. Molecular mechanisms involved in the early steps of Flavivirus cell entry. Microbes Infect, jan. 2011; 13(1):1–9.

Monath TP, Fowler E, Johnson CT, Balser J, Morin MJ, Sisti M et al. A clinical trial of an inactivated, cell culture vaccine against yellow fever. N Engl J Med, apr. 2011; 364(14):1326–1333.

Monath TP. Review of the risks and benefits of yellow fever vaccination including some new analyses. Expert Rev Vaccines, apr. 2012; 11(4):427–448.

Monath TP. Short report: suspected yellow fever vaccine-associated viscerotropic adverse events (1973 and 1978), United States. Am J Trop Med Hyg, may. 2010; 82(5):919–921.

Sall AA, Faye O, Diallo M, Firth C, Kitchen A, Holmes EC et al. Yellow fever exhibits slower evolutionary dynamics than dengue virus. J Virol, jan. 2010; 84(2):765–772.

Seligman SJ. Yellow fever virus vaccine associated deaths in young women. Emerg Infect Dis, oct. 2011; 17(10):1891–1893.

Souza RP, Foster PG, Sallum MA, Coimbra TL, Maeda AY, Silveira VR et al. Detection of a new yellow fever virus lineage within the South American genotype I in Brazil. J Med Virol, jan. 2010; 82(1):175–185.

Stock NK, Laraway H, Faye O, Diallo M, Niedrig M, Sall AA et al. Biological and phylogenetic characteristics of yellow fever virus. Lineages from West Africa. J Virol, mar. 2013; 87(5):2895–2907.

Traiber C, Coelho-Amaral P, Ritter VR, Winge A. Infant meningoencephalitis caused by yellow fever vaccine virus transmitted via breastmilk. J Pediatr (Rio J), may-jun. 2011; 87(3):269–272.

Vasconcelos PFC. Yellow fever in Brazil: thoughts and hypotheses on the emergence in previously free areas. Rev Saude Pública, dec. 2010; 44(6):1144–1149.

World Health Organization. Yellow fever surveillance and outbreak response: revision of case definitions, October 2010. Wkly Epidemiol Rec, nov. 2010; 85(47):465–472.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Copyright (c) 2018 Matheus Costa Cabral