QUALIDADE DE VIDA DOS BOMBEIROS DE UMA CIDADE DO INTERIOR DE MINAS GERAIS

Monalisa Rodrigues Oliveira, Juliano Magalhães Guedes, Andrês Valente Chiapeta, Felipe Moniz Carvalho, Renata Aparecida Rodrigues de Oliveira, Elizângela Elizângela

Resumo


Introdução: Tendo como ponto principal o desgaste emocional que pode ocorrer durante a atuação profissional, deve-se propiciar uma atenção maior na qualidade de vida dos bombeiros, pois tais indivíduos possuem um papel fundamental na sociedade. Nesse sentido, profissionais da área de educação física podem intervir de forma relevante na melhoria de aspectos da saúde e qualidade de vida dos bombeiros. Objetivo: Avaliar a qualidade de vida do Corpo de Bombeiros de uma cidade localizada no interior de Minas Gerais. Para isto foram avaliados 15 profissionais do corpo de bombeiros do sexo masculino com idade entre 25 a 45 anos, na cidade de Ubá-MG. Método: Para a coleta de dados foi empregado o questionário Pentáculo do Bem Estar. A análise dos dados envolveu a tabulação dos dados no programa Excel, e aplicação de uma estatística descritiva. Resultados: A qualidade de vida da maioria dos bombeiros apresentou-se insatisfatória, pois somente o comportamento preventivo apresentou média acima do valor (2,06+0,76) considerado como positivo, sendo nutrição (1,28+0,58), atividade física (1,5+1,71), controle de estresse (1,84+0,46) e relacionamento social (1,55+0,91) abaixo da média. Conclusão: Os bombeiros da cidade de Ubá não possuem

Palavras-chave


Qualidade de vida. Corpo de bombeiros. Estresse.

Texto Completo:

PDF

Referências


Rosa, MAS, Pilatti, DRLA. Qualidade de vida no trabalho: análise do caso de colaboradores de uma empresa do ramo de metalurgia de Ponta Grossa-PR, Revista Digital- Buenos Aires-Año 12-N°108 may; 2007.

Nahas, MV. O conceito de vida ativa: a atividade física como fator de qualidade de vida. Boletim do NuPAF-UFSC,1995; 3, p.1;.

Kluthcovsky, ACG, Takayanagui, AMM. Qualidade de vida: aspectos conceituais. Revista Salus-Guarapuava-PR, jan-jun. 2007; 1(1): 13-15.

Monteiro, JK et al. Bombeiros: um olhar sobre a qualidade de vida no trabalho. Psicologia Ciência e Profissão, 2007; 27 (3): 554-565.

Maia, LDG, Silva, ND, Mendes, PHC. Síndrome de Burnout em agentes comunitários de saúde: aspectos de sua formação e prática. Rev. bras. saúde ocup. [online]. 2011; 36(123): p. 93-102.

Maslach, C, Jackson, SE. The measurement of experienced burnout. Journal of Occupational Behavior, 1981; 2: p. 99-113.

Guidotti, TL. Human factors in firefighting: ergonomic, cardiopulmonary, and psychogenic stress-related issues. Int Arch Occup Environ Health, 1992; 64 (1), p.1-12.

Santos, PG, Passos, J, P. O estresse e a síndrome de Burnout em enfermeiros bombeiros atuantes em unidades de pronto-atendimento (UPAS). Revista Pesquisa: cuidad. fundam. [online], 2010; 2 (Ed. Supl.): p. 671-675.

Souza, FG, Baptista, MN, Xidieh, GF. Burnout: definição e características. Infanto Rev. Neuropsiquiatria da Infância e Adolescente, 2001; 9 (3): p.100-102.

Baptista, MN et al. Avaliação de depressão, Síndrome de Burnout e qualidade de vida em bombeiros. Psicologia Argumento, 2005; 23 (42): p. 47-54.

Gonzales, RMB et al. O estado de alerta: um estudo exploratório com o corpo de bombeiros. Esc Anna Nery R Enferm, 2006; 10 (3): p.370 –377.

Beck CLC. Da banalização do sofrimento à sua re-significação ética na organização do trabalho. [tese de doutorado]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina/ UFSC; 2000.

Oliveira, RR, Filho, VCB, Freitas, CF, Lemos, LFC; Ribeiro, EAG. Perfil do estilo de vida de acadêmicos recém ingressados no curso de educação física da Universidade Federal do Ceará, Coleção Pesquisa em Educação Física, 2009; 8 (4).

Confortini, FG, Soeiro. Estado nutricional dos alunos soldados bombeiro militares versus soldados bombeiros do oeste do estado de santa Catarina. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. 2014; 8 (44): p.103-109.

Modeneze DM, Panizza RM. Controle de Peso Corporal como Fator de Prevenção e Tratamento de Hipertensão, Diabetes e Obesidade. Vilarta, R. organizador); Alimentação saudável e atividade física para a qualidade de vida. Campinas, IPES Editorial, 2007.

Lima, SPR, Navarro, F, Viana,VAR. O teste de aptidão física para os bombeiros militares da ativa, sem restrições médicas, do corpo de bombeiros militar do distrito federal. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo. 2008; 2 (8), p.158-176.

Souza, LK, Hutz, CS. Relacionamentos pessoas e sociais: amizades em adultos. Psicologia em Estudo, Maringá, 2008; 13(2), p. 257-265.

Prado, JS. Estresse e qualidade de vida de bombeiros militares, 2011.

Murta, SG, Tróccoli, BT. Stress ocupacional em bombeiros: efeitos de intervenção baseada em avaliação de necessidades. Estudos de Psicologia I, Campinas I, 2007: 24(1); p. 41-51.

Whitbeck, LB, Adams, GW, Hoyt, DR, Chen, X. Conceptualizing and measuring historical trauma among American Indian people. American Journal of Psychology, 2004: 33 (3/4); p. 119-130.

Puente-Palacios, KE, Pacheco, ÉA, Severino, AF. Clima organizacional e estresse em equipes de trabalho. Rev. Psicol., Organ. Trab. [online]. 2013: 13(1); p. 37-48.

Tabeleão, VP, Tomasi, E, Neves, SF. Qualidade de vida e esgotamento profissional entre docentes da rede pública de Ensino Médio e Fundamental no Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2011: 27 (12); p. 2401-2408.

Cardoso, WLCD. Qualidade de Vida e Trabalho: uma Articulação Possível. 3. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Copyright (c) 2017 Elizângela Elizângela