EFEITO DO MÉTODO FLUSHING SOBRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE OBESOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO

Cássio Guizilini Rodrigues Cássio, Rômulo José Mota Júnior Rômulo, Leôncio Lopes Soares Leôncio, Anselmo Gomes de Moura Anselmo

Resumo


No Brasil, cerca de 82 milhões de pessoas estão com sobrepeso ou obesidade. O treinamento de força vem sendo aplicado no combate à obesidade, contudo não se sabe ao certo se o método de treinamento flushing pode ser utilizado como estratégia para o emagrecimento. Logo, o objetivo do estudo foi avaliar o impacto do método flushing sobre o IMC e a composição corporal de indivíduos obesos. Foi feito um estudo descritivo-comparativo, de característica de corte longitudinal, em que participaram 6 mulheres com idade de 21 a 30 anos. O programa de treinamento teve duração de 6 semanas, com a frequência de 3 vezes por semana. Em cada sessão foram realizados 4 blocos de 4 exercícios cada, de 2-3 séries, com cadência de 2 segundos para fase concêntrica e 2 segundos para fase excêntrica e sobrecarga entre 55% a 65% de 1 RM, até a fadiga voluntária. Não houve intervalo de descanso entre os exercícios que compõem cada bloco. Ao final de cada bloco, os voluntários fizeram um intervalo de recuperação de 120 segundos de forma ativa, caminhando em esteira rolante. Antes e após o período de treinamento, foram medidas a massa corporal, a estatura e as dobras cutâneas. Foram calculados o índice de massa corporal (IMC) e o percentual de gordura por meio do protocolo de 7 dobras. Para a comparação entre os momentos, utilizou-se teste t pareado. De acordo com os resultados, houve diminuição da massa corporal, do IMC e da gordura corporal após o período de treinamento (Massa corporal: Momento pré: 88,3 ± 11,3 vs. Momento pós: 84,3 ± 10,3 kg; IMC: Momento pré: 33,4 ± 3,3 vs. Momento pós: 31,2 ± 2,9 kg; % de gordura: Momento pré: 29,9 ± 2,3 vs. Momento pós: 27,6 ± 2,2 mm). O presente estudo demostrou que o método flushing auxiliou na diminuição do percentual total de gordura dos indivíduos e na diminuição do IMC, mas o período de quatro semanas de treinamento não foi o suficiente para os indivíduos saírem da categoria obesidade do IMC.


Texto Completo:

PDF

Referências


ARRUDA, D. P.; ASSUMPÇÃO, C. O.; URTADO, C. B.; DORTA, L. N. O.; ROSA, M. R. R.; ZABAGLIA, R.; SOUZA, T. M. F. Relação entre treinamento de força e redução do peso corporal. Rbpfex, v. 4, n. 24, p. 605-9, 2010.

BAAR, K. A. R.; WENDE, T. E.; JONES, M.; MARISON, L. A.; NOLTE, M.; CHEN, D. P.; KELLY AND J. O. HOLLOSZY. Adaptations of skeletal muscle to exercise: rapid increase in the transcriptional coactivator PGC-1. FASEB J, v. 16, n. 14, p. 1879-188, 2002.

BARON, R. Understanding obesity and weight loss [online]. 1995. Disponível em: http://www.med.stanford.edu/school/DGIM/Teaching/+Modules/obesity.html. Acesso em: 01 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. VIGITEL Brasil 2016: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 Estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRZYCKI, M. Strength testing: predicting a one-rep max from repetitions to Fatigue. Joperd, v. 64, p. 88-90, 1993.

CAMPANHOLI NETO, J. Demanda energética na sessão de exercício resistido com características de hipertrofia e resistência muscular localizada. 2015. 119 p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Motricidade) - Universidade Estadual Paulista.

GETTMAN, L. R. et al. The effect of circuit weight training on strength, cardiorespiratory function, and body composition of adult men. Medicine and Science in Sports, v. 10, n. 3, p. 171-176, 1977.

GUILHERME, J. P. L. F.; JÚNIOR, T. P. S. Treinamento de força em circuito na perda e no controle do peso corporal. Revista Conexões, v. 4, n. 2, 2006.

JACKSON, A. S.; POLLOCK, M. L. Generalized equations for predicting body density of men. Br J Nutr., v. 40, n. 3, p. 497-504, 1978.

JACOBS, P. L.; NASH, M. S.; RUSINOWSKI, J. W. Circuit training provides cardiorespiratory and strength benefits in persons with paraplegia. Medicine and science in sports and exercise, v. 33, n. 5, p. 711-717, 2001.

KLEIN, S. et al. Clinical implications of obesity with specific focus on cardiovascular disease. A statement for professionals from the American Heart Association Council on Nutrition, Physical Activity and Metabolism: endorsed by the American College of Cardiology Foundation. Circulation, v. 110, n. 18, p. 2952-2967, 2004.

MICHAEL, L. F.; WU, Z.; CHEATHAM, R. B.; PUIGSERVER, P.; ADELMANT, G.; LEHMAN, J. J.; KELLY D. P.; SPIEGELMAN, B. M. Restoration of insulin-sensitive glucose transporter (GLUT4) gene expression in muscle cells by the transcriptional coactivator PGC-1. Proc Natl Acad Sci USA, v. 98, n. 7, p. 3820- 3825, 2001.

MOLÉ, P.A.; STERN, J. S.; SCHULTZ, C.L., BERNAUER, E.M., HOLCOMB, B.J. Exercise reverses depressed metabolic rate produced by severe caloric restriction. Medicine and Science in Sports and Exercise, v.21, n.1, p.29-33, 1989.

MONTEIRO, C.A.; MONDINI, L.; SOUZA, A.L.M.; POPKIN, B.M. Da desnutrição para a obesidade: a transição nutricional no brasil. IN: MONTEIRO, C.A. Velhos e novos males da saúde no brasil: a evolução do país e de suas doenças. São Paulo: Hucitecnupens/USP, 1995.

MOTA, G. R.; ORSATTI, F. R.; COSTA, T. N. F.; MARÔCOLO JÚNIOR, M. Strength training and weight loss. J Health Sci Inst .v. 28, n. 4. p. 337-40, 2010.

PIRES, N. C. M.; ARANTES, E. C.; SILVA, W. V.; KATO, H. T. Diferenças e semelhanças nos métodos de amostragem de pesquisas top of mind: um estudo comparativo. Rbgn Review Of Business Management, v. 8, n. 22, p. 37-45, 2006.

PUIGSERVER, P.; WU, Z.; PARK, C. W.; GRAVES, R.; WRIGHT, M.; SPIEGELMAN, B. M. A coldinducible coactivator of nuclear receptors linked to adaptive thermogenesis. Cell, v. 92, n. 6, p. 829-839, 1998.

SAPATÉRA, M. L. R.; PANDINI, E. V. Obesidade. Revista Digital, Araçatuba, ano 10, n. 85, 2005.

SIRI, W. E. Body composition from fluid spaces and obesity: analysis of methods. IN Brozek, J.; Henschel, A. Techniques for measuring body composition. National Academy of Sciences. 1961.

SHETTY, O. S. Physiological mechanisms in the adaptive response of metabolic rates to energy restriction. Nutr Res Rev. v. 3, n. 1, p. 49-74, 1990.

SCHWARZ, N. A.; MCKINLEY-BARNARD, S. K.; SPILLANE, M. B.; ANDRE, T. L.; GANN J. J.; WILLOUGHBY, D. S. Effect of resistance exercise intensity on the expression of PGC-1α isoforms and the anabolic and catabolic signaling mediators, IGF-1 and myostatin, in human skeletal muscle. Appl Physiol Nutr Metab., v. 41, n. 8, p. 856-63, 2016.

UCHIDA, M.; CHARRO, M.; BACURAU, R.; NAVARRO PONTES, F. Manual de musculação: uma abordagem teórico-prática ao treinamento de força. São Paulo: Phorte, 2003.

ZANELA, M. T. Tratamento. In: CLAUDINO, A. M.; ZANELA, M. T. Transtornos alimentares e obesidade. Guia de Medicina Ambulatorial. Escola Paulista de Medicina. São Paulo: Manole, 2005. p. 211-259.

WANG, Z.;; HESHKA, S.; GALLAGHER, D.; BOOZER, C. N.; KOTLER D. P.; HEYMSFIELD, S. B. Resting energy expenditure-fat-free mass relationship: new insights provided by body composition modeling. Am J Physiol Endocrinol Metab., v. 279, n. 3, p. 539-45, 2000.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: World Health Organization, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.