EMPRESA FAMILIAR SOB A PERSPECTIVA DE SEUS COLABOLADORES: um estudo de caso na Copel Contabilidade

Nathália Carvalho Costa, George Vieira Brum, Wellington Oliveira Massardi, João Paulo Ciribeli

Resumo


Este estudo foi realizado na Copel Contabilidade de Tocantins/MG, no intuito de conhecer a visão dos colaboradores em relação às vantagens e desvantagens da empresa de âmbito familiar, além de identificar os fatores associados ao processo sucessório. Este artigo utilizou-se de uma pesquisa descritiva, bibliográfica e estudo de caso. Aplicou-se um questionário estruturado a todos os colaboradores e, através dos resultados, foi possível concluir que a empresa possui condições favoráveis para os trabalhadores executarem suas atividades, contribuindo para a permanência deles na empresa, e que o processo sucessório está sendo implantado gradativamente, para que as mudanças não impactem negativamente na empresa.


Texto Completo:

PDF

Referências


ALVESSON, M. Cultural perspectivesonorganizations. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

BERNHORET, R. Empresa familiar: sucessão profissionalizada ou sobrevivência comprometida. São Paulo: Ibecon, 1987.

________. ________. São Paulo: Nobel, 1989.

________. Programa gestão eficaz – Estação Business School, entrevista feita por Paula Weidlich, 2011.

BORNHOLDT, Werner. Governança na empresa familiar: implementação e prática. Porto Alegre: Bookman, 2007. 182 p.

CUNHA, Antonio Geraldo da.Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua

portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

DE PAI para filho. Sebraemgcomvoce, 28 fev. 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2015.

DONNELLEY, Robert G. A empresa familiar. R.A.E. - Revista de Administração de Empresas, v.7, n. 23, p. 161-198, abr./jun. 1967.

DRUCKER, Peter F. Administrando em tempos de grandes mudanças. São Paulo: Pioneira, 1995.

GERSICK, K.; DAVIS, J. A.; HAMPTON, M.; McCollon& LANSBERG, I. De geração para geração: ciclos de vida da empresa familiar. Tradução de Nivaldo Montingelli Júnior. 2. ed. São Paulo: Negócio, 1997.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

¬¬¬¬¬¬________. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GONÇALVES, J. S. R. C. As empresas familiares no Brasil. RAE Light, v. 7, n. 1. São Paulo: Brasil, 2000.

LEONE, N. A sucessão não é tabu para os dirigentes da PME. In: Encontro da Anpad, 1991, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, set. 1991, p. 243-247.

LODI, João Bosco. A empresa familiar. 1. ed.São Paulo: Pioneira, 1993.

________. A empresa familiar. 5.ed. São Paulo: Pioneira, 1998.

MACEDO, José Ferreira de. Sucessão na empresa familiar: teoria e prática. São Paulo: Nobel, 2009. 177 p.

MOSCOVICI, Fela. Desenvolvimento interpessoal: treinamento em grupo. 8.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998.

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças. Empresa familiar: como fortalecer o

empreendimento e otimizar o processo sucessório. São Paulo: Atlas, 1999.

________. Empresa familiar. 2.ed. São Paulo: Atlas,2006.

PECTOR, Paul E. Psicologianasorganizações. São Paulo: Saraiva, 2002.

RIBEIRO, S. X.; ESCRIVÃO FILHO, E. Gestão estratégica da comunicação na pequena empresa hoteleira. Revista Turismo Visão e Ação – Eletrônica, V. 13, n. 3, 2011.

RICCA, Domingos. Da empresa familiar à empresa profissional. São Paulo: Editora

CLA Cultural, 1998.

SCHEIN, E. H. Organizational culture and leadership.2nd ed. San Francisco:Jossey Bass, 1992.

SINOPSE do censo demográfico IBGE 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 maio 2015.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisas em administração. 7. ed.

São Paulo: Atlas, 2006.

VIEIRA, Maria Cristina de Andrade. Cotidiano e ética: crônicas da vida empresarial. São Paulo: SENAC, 2001. 395 p.

VRIES, M. K. de; FLORENT-TREACY, E.; CARLOCK, R. S. A empresa familiar no divã: uma perspectiva psicológica. 1. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009. 302 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.