PROCESSO DE GERENCIAMENTO E TRIAGEM DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS: um estudo na empresa Móveis Ubá Ltda.

Vânia Laís Doriguetto Ferreira Vânia Laís, Helder Gomes Helder, José Sérgio Costa Júnior José Sérgio, Leonardo Parma de Lima Leonardo

Resumo


Atualmente, a problemática da destinação final dos resíduos sólidos preocupa a sociedade. As indústrias de móveis geram uma quantidade considerável de resíduos da madeira e outros com variada periculosidade, que precisam ser tratados, reaproveitados ou dispostos de forma segura, para dar eles um destino ambientalmente correto. A Móveis Ubá Ltda. é uma empresa componente do Polo Moveleiro de Ubá, gerando grandes quantidades mensais de resíduos. O objetivo deste trabalho foi realizar o inventário dos resíduos produzidos, classificá-los de acordo com o grau de risco, verificar sua armazenagem e sua destinação final. Utilizou-se de pesquisa aplicada, documental, bibliográfica e estudo de caso. Foram realizadas visitas à empresa para a captação dos dados, e o inventário revelou a produção de grandes volumes de torta de verniz, plástico contaminado com solvente/tingidor, borra de tinta com solvente e verniz e tecido contaminado com solvente/tingidor (classe I), além de embalagens plásticas, resíduos administrativos, papel / papelão, sucata de ferro (classe II A) e, por fim, resíduos derivados da madeira (classe II B). A Móveis Ubá Ltda. mantém contrato com empresas terceirizadas para a destinação final do material produzido, que pode ser a reciclagem ou, simplesmente, a disposição adequada em aterros, evitando-se assim o impacto ambiental negativo.

Texto Completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. M. de. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1998

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR-1004: resíduos sólidos. Rio de Janeiro, 1987. 48 p

BARBIERI, J. C. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

BRASIL. Lei nº 12305/2010. Altera a Lei nº 9605, de 12 de fevereiro de1998, e da às outras providências. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2015.

BUTTER, G. A. Desenvolvimento de um modelo de gerenciamento compartilhado dos resíduos industriais no sistema ambiental da empresa. 2003 f. Dissertação (Doutorado em Engenharia de Produção), Universidade de Santa Catarina, 2003.

CALDERONI, S. Os bilhões perdidos no lixo. São Paulo: Humanitas Publicações - FFLCH/USP, 2003.

CASSILHA. A. C.; PODLASEK. C. L.; C. JÚNIOR. E. F.; SILVA. M. C.; MENGATTO. S. N. F. Indústria moveleira e resíduos sólidos: considerações para o equilíbrio ambiental. Revista Educação e Tecnologia v. 8, p. 209-228, 2004.

DONAIRE, D. Gestão ambiental na empresa. São Paulo: Atlas, 1995.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DE MINAS GERAIS - FIEMG / SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL - SENAI / INSTITUTO EUVALDO LODI - IEL. Alguns aspectos da demanda tecnológica da indústria moveleira da microrregião de Ubá. Ubá: Centro de Formação Profissional "José Alencar Gomes da Costa", 1998.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

IBQ/PR – Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Paraná. Análise da competitividade da cadeia produtiva da madeira no estado do Paraná. Curitiba: IBQ, 2002. JACOBI, P. R.; BESEN, G. R. Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Estudos Avançados, 2011, v. 25, n. 71, p. 135-158.

KOCH. M. R. Gestão de resíduos sólidos de uma indústria de aglomerados e moveleira: um olhar para sustentabilidade. Lajeado: Univates, 2012. 96f. Dissertação (Pós-Graduação em Ambiente e Desenvolvimento do Centro Universitário Univates) - Centro Universitário Univates, Lajeado, 2012.

KOSAK, P. A., CORTEZ, A. M., SCHIMER, W. N., CALDEIRA, M. V. W., BALBINOT, R. Identificação, quantificação e classificação dos resíduos sólidos de uma fábrica de móveis. Revista Acadêmica de Ciências Agrárias e Ambientais, v.6, n. 2, p. 203-212, 2008.

LIMA, E. G.; SILVA, D. A. Resíduos gerados em indústrias de móveis de madeira situadas no polo moveleiro de Arapongas - PR. Revista Floresta, v. 35, n. 1, p.105-116, 2005.

MACEDO, R. K. de. Gestão ambiental: os instrumentos básicos para a gestão ambiental de territórios e de unidade produtivas. Rio de Janeiro: AIDIS, 1994.

MAXIMIANO, A. C. A. Teoria geral da administração: da revolução urbana a revolução digital. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

MENGATTO, S. N. F. Indústria moveleira e resíduos sólidos: considerações para o equilíbrio ambiental. Revista Educação & Tecnologia, 2004; 8:209-228

MISSIAGGIA, R. R. Gestão de resíduos sólidos industriais - caso da Springer Carrier. 2002. 127 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

PEREIRA, J. A. R. Geração de resíduos industriais e controle ambiental. Belém: UFPA, 2002.

PIRES, V. A. V. Viabilidade econômica de implantação de uma unidade integrada de gerenciamento de resíduos sólidos no polo moveleiro de Ubá - MG. Viçosa: UFV, 2007. 76 f. Dissertação (Pós-Graduação em Ciência Florestal) Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.