VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER: DA CONSTRUÇÃO SOCIAL A PERCEPÇÃO FEMININA

Jhonathan de Oliveira Feital Feital, Jaqueline Duque Kreutzfeld Toledo Toledo, Bruno Feital Barbosa Motta Motta

Resumo


Este artigo parte da conceituação referindo às diferentes formas de agressão a que a mulher é submetida durante o percurso de sua vida, partindo de uma pesquisa da percepção feminina sobre a violência. Objetivos: Apontar os diferentes tipos de violência doméstica contra a mulher e a percepção do que as mesmas têm desta experiência. Métodos: Trata de uma pesquisa de campo por buscar uma validação do problema de pesquisa apontada no artigo que é a violência doméstica contra a mulher, onde busca conhecimentos, informações, respostas e observação dos fatos a uma comprovação a partir da coleta de dados, aplicação de questionário e grupo focal sobre a percepção das mulheres diante da violência. Conclusão: Pode-se concluir que ainda existem mulheres submissas aos agressores e que não se permitem falar sobre o assunto violência doméstica, seja por insegurança e pelo autojulgamento de culpa.


Palavras-chave


Violência. Mulher. Percepções femininas. Violação de direitos.

Texto Completo:

PDF

Referências


BERGER, P. L.; LUCKMANN. T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 34. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

CURIA, L.R.; CÉSPEDE. L; NICOLETTI, J. Vade Mecum Saraiva. 19. Ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

ESSY, Daniela Benevides. A evolução histórica da violência contra a mulher no cenário brasileiro: do patriarcado à busca pela efetivação dos direitos humanos femininos. Conteudo Juridico, Brasilia-DF: 26 jul. 2017. Disponivel em: . Acesso em: 13 dez. 2018.

GONDIM, S. M. G. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Revista Paidéia, Salvador: v. 12, n. 24, p. 149-161. 2003.

MAGALHÃES, E. Algumas considerações sobre o masoquismo e a violência contra a mulher. Pensar Direito, Belo Horizonte: v.4, n.2. jul.2013.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MIRANDA, C.E.S.; RAMOS, J.S. “Uma mulher é espancada”: a violência doméstica contra a mulher a luz da psicanálise. Revista ECOS, Brasil: v: 4, n.1, p. 35 – 49. 2014

MELO, J. C. As Faces do Inconsciente: Perspectivas da Psicanálise e da Grupanálise. 1. Ed. Lisboa: CLIMEPSI, 2005.

NETO, E.B; ROCHA, Z. Um corpo marcado, lugar secreto das palavras. Psicologia Ciência e Profissão, Brasília: v. 35, n.1, p. 154 – 167. 2015.

SALIBA, Orlando; GARBIN, Cléa Adas Saliba; GARBIN, Artênio José Isper and DOSSI, Ana Paula. Responsabilidade do profissional de saúde sobre a notificação de casos de violência doméstica. Rev. Saúde Pública [online]. 2007, vol.41, n.3, pp.472-477. ISSN 0034-8910. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000300021.

SCHRAIBER, L. et al. Violência vivida: a dor que não tem nome. Revista Interface – Comunicação, Saúde, Educação. V. 7, n 12, p. 41-54, 2003.

Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Ministério da Justiça e Cidadania. 2016. Disponível em: . Acesso em: 13 de dez. 2018.

Senado Federal, Brasília/DF, 2017. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/datasenado/arquivos/aumenta-numero-de-mulheres-que-declaram-ter-sofrido-violencia. Acesso em: 13 de dez. 2018.

SILVA, S. G. Preconceito e discriminação: as bases da violência contra a mulher. Revista Psicologia Ciência e Profissão, Brasília, Brasil: v. 30, n. 3, p. 556 – 571, set, 2010.

SOUZA, M. C.; BARACHO, L. F. A Lei Maria da Penha: égide, evolução e jurisprudência no Brasil. Revista Eletrônica do Curso de Direito – PUC, Minas Serro, nº 11, sem volume, p. 79 – 106, jan/ago. 2015.

STENZEL, G. Q. de L. e LISBOA, C. S. de M. Aprisionamento psíquico sob uma perspectiva psicanalítica: estudo de caso de um agressor conjugal. Revista Ágora, Rio de Janeiro: v. XX, n. 3, p. 625 – 633, set/dez, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.