ESTUDO DE FRAÇÕES NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL I: A utilização de jogos lúdicos no ensino-aprendizagem de frações

Larissa Soares Oliveira Silva, Milena Rosa Lage, Sulamita Almeida Cardoso Gonçalves, Ana Amélia de Souza Pereira, Ludmilla Carneiro Araujo

Resumo


O presente texto teve como objetivo investigar como os jogos lúdicos podem auxiliar no aprendizado de frações, considerando o 4º e 5º ano de escolas da rede municipal e estadual das cidades de Tocantins e Ubá MG. Os objetivos específicos tiveram como propósito conhecer como os jogos lúdicos são utilizados no ensino de frações, verificar quais tipos de jogos são mais usados pelos professores e identificar como os alunos reagem na prática de jogos em sala de aula para o ensino de frações. Foi realizada uma pesquisa de campo descritiva em três escolas da rede municipal e estadual de ensino, objetivando obter informações sobre os métodos utilizados pelos professores e qual é a relação dos alunos com as frações. As perguntas fechadas do questionário foram organizadas em gráficos. Sendo assim, concluiu-se que os jogos funcionam como uma ferramenta que auxilia na transmissão de conhecimento de frações matemáticas para as crianças, além de desenvolver o raciocínio e tornar o aprendizado de frações, antes desmotivante e desinteressante, divertido e interessante.


Texto Completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Paulo Nunes de. Educação Lúdica: técnicas e jogos pedagógicos. São Paulo: Loyola, 1994.

AMARO, Ana; PÓVOA, Andreia; MACEDO, Lúcia. A arte de fazer questionários. Porto, Portugal: Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, 2005.

ANTUNES, Celso. Jogar e Estimular. Informe AGAB – Associação Gaúcha de Brinquedotecas, Santa Maria, v.1, n.2, jan/mar, 2000.

BARATA, Denise. Caminhando com a arte na Pré-Escola. São Paulo: Summer 1995.

Bisognin, B.V.M. Um olhar dos professores sobre as dificuldades de aprendizagem em matemática nos anos finais do ensino fundamental. Trabalho de conclusão De Curso. Santa Maria, RS, Brasil, 2015.

BORIN, J. Jogos e resolução de problemas: uma estratégia para as aulas de matemática. São Paulo: IME-USP. 1996

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino de primeira a quarta série: matemática. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto/Secretaria de Educação Fundamental. 1997,35p. (PCN 1° a 4° series).

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática – ensino de quinto a oitava séries. Secretaria de Educação Fundamental- Brasília: MEC/SEF,1998 p.148

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática - ensino da primeira à quarta série. Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997.

CAVALIERI, Leandro. O ensino das frações. Monografia, ano de 2005

CHATEAU, Jean. O jogo e a criança. São Paulo: Summer, 1987.

COMÊNIO, João Amós. Didática Magna. 3 ed. Lisboa: Fundação Calouste Guibenkian, 1957

CUNHA, Ana Cristina Teixeira. Importância das atividades lúdicas na criança com hiperatividade e déficit de atenção segundo a perspectiva dos professores. 2012. Tese de Doutorado.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Matemática, ensino e educação: uma proposta global. Temas & Debates. São Paulo, v.4, n. 3, 1991, p. 1 – 15

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 20 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FRIEDMANN, Adriana. A importância do brincar. Diário da escola 2003.

GIL, Antônio Carlos. Como classificar as pesquisas. Como elaborar projetos de pesquisa, v. 4, p. 44-45, 2002.

GÓMEZ-GRANELL, Carmen. A aquisição da linguagem matemática: símbolo e significado. In. TEBEROSKY, A; TOLCHINSKY (org.) Além da alfabetização

MACEDO, R.M. A família diante das dificuldades escolares dos filhos. Petrópolis: Vozes, 1994.

MOREIRA, Ivanete Maria Barroso. O ensino das operações com frações envolvendo calculadora. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós Graduação em Educação, Universidade do Estado do Pará, Belém. 2010.

OLIVEIRA, A.C. N. Reconstruindo Frações – o Significado Através do Lúdico. 2007. UFPel Acesso em: 03 out. 2011.

RAU, M. C. T. D. A ludicidade na educação: uma atitude pedagógica. Curitiba: Ibpex, 2007.

REZENDE, Lucinéa Aparecida. O processo ensino-aprendizagem: reflexões. Semina, Ciências Sociais e Humanas, v. 19, n. 3, p. 51-56, 1999.

SANTOS, E. A. C. O lúdico no processo ensino-aprendizagem. Dissertação (Mestrado), 2010. Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2012.

SANTOS, Santa Marli Pires dos. Brinquedo e Infância. Petrópolis: Vozes, 1999

SILVEIRA, R. S; BARONE, D. A. C. Jogos Educativos computadorizados utilizando a abordagem de algoritmos genéticos. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Informática. Curso de Pós-Graduação em Ciências da Computação. 1998.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984

VIGOTSKY, L.S. A formação social da mente. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

WAJSKOP, Gisela. Brincar na Pré-Escola. São Paulo: Cortez, 1995


Apontamentos

  • Não há apontamentos.