QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS

Emerson Melo, Leililene Antunes Soares, Davi Correia Silva, Rômulo José Mota Júnior

Resumo


O processo de envelhecimento, na grande maioria das vezes, vem acompanhado por problemas de saúde física, cognitiva, mental e social, provocados, principalmente, por doenças crônicas degenerativas, afetando expressivamente sua qualidade de vida. Em contrapartida, a prática de exercícios físicos tem demonstrado efeitos positivos frente aos eventos do envelhecimento. Nesse contexto, o presente estudo teve como objetivo comparar a qualidade de vida entre idosos praticantes e não praticantes de atividades físicas. A amostra deste estudo foi composta por 40 idosos (17 mulheres e 23 homens), com idade média de 66,3 + 3,97 anos, divididos em dois grupos, sendo 20 não ativos e 20 ativos. Foi empregada a versão brasileira do questionário WHOQOL – abreviado, a fim de avaliar a qualidade de vida dos entrevistados. O questionário IPAQ – versão curta foi aplicado na intenção de confirmar o nível de atividade física dos indivíduos. Inicialmente, foi testada a distribuição dos dados através do teste estatístico de Shapiro Wilk. Posteriormente, os dados foram apresentados descritivamente através de média e desvio padrão ou mediana, valores máximos e mínimos de acordo com a distribuição dos dados. A comparação entre os grupos foi realizada pelo teste t Student e Mann-Whitney para as distribuições normal e não normal, respectivamente. O teste qui quadrado foi utilizado para comparar as categorias da autoavaliação da qualidade de vida e da da saúde entre os grupos de indivíduos ativos e não ativos. Para todos os tratamentos, adotou-se um nível de significância de p<0,05.O grupo de idosos ativos apresentou um maior tempo em atividade física, uma melhor autoavaliação da qualidade de vida, uma tendência a melhor autoavaliação da saúde, bem como uma melhor pontuação para o domínio psicológico, se comparado aos idosos não ativos. Conclui-se que idosos ativos avaliam melhor a qualidade de vida e tendem a ter uma melhor percepção de saúde; além disso, ressalta-se que a prática de exercício influenciou positivamente apenas o domínio psicológico.

 


Palavras-chave


Envelhecimento. Estilo de Vida Sedentário. Exercício Físico. Qualidade de vida.

Texto Completo:

PDF

Referências


ALVES, L. C. et al, A influência das doenças crônicas na capacidade funcional dos idosos do Município de São Paulo, Brasil. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 8, p. 1924 - 1930, ago. 2007.

ALVES, R. V. et al. Aptidão física relacionada à saúde de idosos: influência da hidroginástica. Revista Brasileira de Medicina e Esporte, v. 10, n. 1, p. 31-37, jan./fev. 2004.

ANTUNES, H. K. M.; SANTOS, R. F.; HEREDIA, R. A. G. et al. Alterações cognitivas em Idosas decorrentes do Exercício Físico Sistematizado. Revista da Sobama, 2001b, v. 6, n. 1, p. 27-33.

ARAÚJO, C. G. S. Biologia do envelhecimento e exercício físico: algumas considerações. In: Seminário Internacional Sobre Atividades Física Para Terceira Idade, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2000.

ARGENTO, R. S. V. Benefícios da atividade física na saúde e qualidade devida do idoso. 34 f. Monografia (Graduação em Educação Física) - Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2010.

BARBOSA, A. S. Os benefícios do treinamento de força muscular para pessoas idosas. 2007. 90 f. Monografia (Especialização em Gerontologia) - Escola de Saúde Pública do Ceará: Fortaleza, 2007. Disponível em: http://www.esp. ce.gov.br/index.php?option=com _phocadownload&view=category& download=225:os-benefcios-do-treinamento-de-fora-muscular-para-pessoas-idosas&id=37:esp.- gerontologia. Acesso em: 07 out. 2018.

BENEDETTI, T. R. B.; BORGES, L. J.; PETROSKI, E. L.; GONÇALVES, L. H. T. Atividade física e estado de saúde mental de idosos. Revista Saúde Pública, 2008, v. 42, n. 2, p. 302-7.

CALDAS, C. P. Envelhecimento com dependência: responsabilidades e demandas da família. Caderno Saúde Pública,2003, v. 19, n. 3, p. 773-81.

CARVALHO, E. M. S. et al. A postura do idoso e suas implicações clínicas. Geriatria & Gerontologia, v. 5, n. 3, p. 170-174, 2011.

COSME, R. G.; OKUMA, S. S.; MOCHIZUKI, L. A. Capacidade funcional de idosos fisicamente independentes praticantes de atividade física. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 2008, v. 16, n. 1, p. 39-46.

COSTA, M. F. L.; VERAS, R., Saúde pública e envelhecimento. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, p. 700-701, 2003.

FARENZENA, W. P.; ARGIMON, I. L.; MORIGUCHI, E.; PORTUGUEZ, M. W. Qualidade de vida em um grupo de idosos de Veranópolis. Revista Kairós, 2007, v. 10, n. 2, p. 225-243.

FILLENBAUM, G. G. The well-being of the elderly: approaches to multidimensional assessment. Geneva: World Health Organization, 1984.

FLECK, M. P. A. WHOQOL Abreviado: versão em português. Disponível em: http://www.ufrgs.br/ psiquiatria/psiq/breve.PDF. Acesso em: 31 maio 2018.

INTERDONATO, G. C.; GREGUOL, M., Qualidade de vida percebida por indivíduos fisicamente ativos e sedentários. Revista Brasileira Ciência e Movimento, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 61-67, 2010.

INTERNATIONAL PHYSICAL ACTIVITY QUESTIONNAIRE (IPAQ). Scoring Protocol. 2005.

KANE, R. A.; KANE, R. L. Assessing the elderly: a practical guide to measurement. Lexington: Lexington Books, 1981. p. 45-47.

MACIEL, M. G. Atividade física e funcionalidade do idoso. Escola de Educação Física, Fundação Helena Antipoff: Ibirité, MG. Motriz, Rio Claro, v. 16 n. 4, p. 1024-32, out./dez. 2010.

MATSUDO, S. M.; MATSUDO, V. K. R.; BARROS NETO, T. L. Atividade física e envelhecimento: aspectos epidemiológicos. Revista Brasileira de Medicina e Esporte, Niterói, v. 17, n. 1, p. 2-13, 2001.

MELO, F. L. S. et al. A prática da hidroginástica e sua influência nas atividades de vida diárias do idoso. Lecturas Educación Física y Deportes, Buenos Aires, ano 17, n. 169, jun. 2012.

MINAYO, M. C. S. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência Saúde Coletiva, v. 5, n. 1, p. 7-18, 2000.

NETO, M. G.; CASTRO, F. M. Estudo comparativo da independência funcional e qualidade de vida entre idosos ativos e sedentários. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 2012, v. 18, n. 4.

PASKULIN, L.; VIANNA, L.; MOLZAHN, A. E. Factors associated with quality of life of Brazilian older adults. Int Nurs ver, 2009, v. 56, n. 1, p. 109-115.

RÔAS, Y. A. S; REIS, E. J. Causas e consequências de um estilo de vida sedentário e possibilidades de transformar a o conhecimento de hábitos saudáveis em ações práticas e concretas. EFDesportes, 2012, n. 17, p. 168.

SILVA, R. J. S.; SMITH, M. A.; TRIBESS, S.; RÓMO, P. V.; VIRTUOSO, J. J. S. Prevalência e fatores associados à percepção negativa da saúde em pessoas idosas no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 2012, v. 15, n. 1, p. 49-62.

SILVA, M. F.; GOULART, N. B. A.; LANFERDINI, F. J.; MARCON, M.; DIAS, C. P. Relação entre os níveis de atividade física e qualidade de vida de idosos sedentários e fisicamente ativos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 2012, v. 15, n. 4.

SOUZA, J. N.; CHAVES, E. C. O efeito do exercício de estimulação da memória em idosos saudáveis. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 2005, v. 39, n. 1, p. 13-9.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Division of Mental Health and Prevention of Substance Abuse. WHOQOL User Manual, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.