O CONHECIMENTO DOS EDUCADORES DA REDE MUNICIPAL SOBRE A DISCALCULIA

Cristina Toledo, Lara Rufato Teixeira

Resumo


O cenário atual demonstra grande aumento na identificação dos transtornos de aprendizagem. Um deles é a discalculia, ou seja, déficit na aprendizagem de conceitos numéricos. O objetivo deste estudo foi investigar o conhecimento que os professores possuem acerca da discalculia, assim como relatar a importância de os professores conhecerem sobre ele para que as adaptações sejam realizadas, e ainda investigar o suporte que a rede municipal oferece aos professores. Para tanto, realizou-se pesquisa bibliográfica, com abordagem quanti-qualitativa, com questionário direcionado aos professores com formação em Pedagogia, com perguntas de múltipla escolha e abertas, a que eles responderam de acordo com o seu conhecimento sobre o assunto. Concluiu-se que os professores não têm conhecimento integral sobre o tema abordado, confundindo-se sobre as causas e sobre as reais definições. Portanto, acredita-se que muitos desses professores não conseguiriam identificar quais alunos têm o transtorno e quais apenas apresentam dificuldades no conhecimento da matemática.

 

 


Palavras-chave


Transtorno de Aprendizagem; Discalculia; Escola; Professor

Texto Completo:

PDF

Referências


American Psychiatric Association DSM-V. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-V. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014. p. 67.

BASTOS, J. A. O cérebro e a matemática. São Paulo: Edição do Autor, 2008.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Especial, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. 1998.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano de Desenvolvimento da educação: razões, princípios e programas. Brasília: MEC, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/livro/livro.pdf. Acesso em: 23 abr. 2019.

BRASIL (1998). Ministério de Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Disponível em: Acesso em: 30 mar. 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, Decreto Legislativo nº 186, de 2008.

CECATO, A. Intervenção psicopedagógica. In: BASTOS, J. A. O cérebro e a matemática. São Paulo: Edição do Autor, 2008.

CID-10. Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Organização Mundial de Saúde (Org.). Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

CORREIA, L. M. (2008). Dificuldades de aprendizagem específicas – contributos para uma definição portuguesa. Coleção Impacto Educacional. Porto: Porto Editora.

CRESSWELL, John W. O projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DIAS, Michelle de Almeida Horsae; PEREIRA, Mônica Medeiros de Britto; van BORSEL, John. Avaliação do conhecimento sobre a discalculia entre educadores. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/acr/v18n2/07.pdf. Acesso em: 16 maio 2019.

FONSECA, V. Introdução às dificuldades de aprendizagem. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

GARCIA, J. N. Manual de dificuldades de aprendizagem. Porto Alegre: Art. Med, 1998.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GRANDO, Regina Célia. O jogo e a matemática no contexto da sala de aula. São Paulo: Paulus, 2004.

GOMES, Ana Maria Salgado; TÉRAN, Nora Espinosa. Dificuldades de aprendizagem: detecção e estratégias de ajuda. São Paulo: Cultural S/A, 2009.

LEHFELD, Neide A. de Souza; Barros, AIDIL, Jesus da Silveira. Fundamentos da metodologia científica. 3. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2007.

MACARENHAS, Sidnei Augusto. Metodologia cientifica. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2012.

MANTOAN, M. T. E. Uma escola de todos, para todos e com todos: o mote da inclusão. In: STOBÄUS, C. D.; MOSQUERA, J. J. M. Educação especial: em direção à educação inclusiva. 2. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência, 2006.

PAIN, Sara. Diagnóstico e tratamento dos problemas de aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

PERETTI, Lisiane; ZAGO, Adriane. Discalculia–transtorno de aprendizagem. Monografia -Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões. Erechim: URI, 2009.

ROTTA, Newra Tellechea; FILHO, César Augusto Bridi; BRIDI, Fabiane Romano de Souza. Neurologia e aprendizagem abordagem multidisciplinar. Artmed, 2016.

ROTTA, Newra Tellechea; OHLWEILER, Lygia; RIESGO, Rudimar dos Santos. Transtornos da aprendizagem - abordagem neurobiológica e multidisciplinar. Artmed, 2016.

SILVA, T. C. C. As consequências da discalculia no processo de ensino aprendizagem da matemática. Monografia (Matemática) - Instituto Superior de Educação da Faculdade Alfredo Nasser, Aparecida de Goiânia, 2010.

SMITH, C.; STRICK, L. Dificuldades de aprendizagem de A a Z. Porto Alegre: Artmed, 2012.

UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Disponível em: http://redeinclusao.pt/media/fl_9.pdf. Acesso em: 10 mar. 2019.

VIEIRA, E. Transtornos na aprendizagem de matemática: número e a discalculia. Porto Alegre Ciênc. Let., 2004.

WEISS, Maria Lucia L. Uma visão diagnosticada dos problemas de aprendizagem escolar. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.