ACESSO DA POPULAÇÃO ATENDIDA NOS SERVIÇOS UBAENSES REFERENTES À SAÚDE MENTAL NO NÍVEL SECUNDÁRIO.

Matheus Costa Cabral, Mariana de Almeida Giffoni, France Araújo Coelho, Maria Augusta Coutinho de Andrade Oliveira, Roberta Feital Xavier, Ronaldo Afonso Torres, Elaine Teixeira Fernandes, Carlos Eduardo S. G. Cruz, Bruno dos Santos Farnetano, Jorge de Assis Costa

Resumo


INTRODUÇÃO: O sistema único de saúde (SUS) é o principal responsável por prover os recursos, bem como gerir as ações referentes à saúde mental. Entretanto, alguns impasses são constantemente notados no país, estados e municípios.

OBJETIVO: O objetivo do presente estudo é realizar o diagnóstico situacional da saúde mental em nível secundário no município de Ubá-MG e descrever os impasses do SUS a fim de alertar para a necessidade de subsidiar políticas públicas de saúde inicialmente municipais e posteriormente nas esferas estadual e federal.

METODOLOGIA: O presente estudo é do tipo transversal e a metodologia de pesquisa utilizada é do tipo qualitativa, já a pesquisa é do tipo de campo. Uma busca de artigos científicos foi realizada nos bancos de dados Scielo e BVS. Foi realizada uma visita técnica ao local onde estes serviços são prestados, bem como um levantamento de dados com o profissional responsável pelo setor saúde mental da Policlínica Regional de Ubá, foi realizada também uma entrevista com uma paciente que utiliza o setor secundário relativo à saúde mental do SUS.

RESULTADOS E DISCUSSÃO: O sistema de saúde ubaense é marcado pela falta de profissionais psiquiatras capacitados para atender aos pacientes acometidos por enfermidades psiquiátricas, o que culmina em uma enorme demanda para uma escassa oferta. Além do mais, o processo de referenciação da atenção primária para a secundária é lento, o que leva alguns pacientes a abandonar o tratamento.

Palavras- chave: saúde mental; acesso à saúde mental; qualidade do acesso à saúde mental.


Palavras-chave


Palavras- chave: saúde mental; acesso à saúde mental; qualidade do acesso à saúde mental.

Texto Completo:

PDF

Referências


BARROSO, S. M. Urbanização e acessibilidade como critérios na avaliação de serviços públicos de saúde mental. Rev. Baiana Saúde Pública, v. 35, n. 3, p. 734-743, jul./set. 2011.

FILHO, N. A; COELHO, M. T. A; PERES, M. F. T. O conceito de saúde mental. REVISTA USP, São Paulo, n.43, p. 100-125, setembro/novembro 1999.

FREEMAN, M. et al. Livro de Recursos da OMS sobre Saúde Mental, Direitos Humanos e Legislação: cuidar sim, excluir não. OMS, 2005.

FREITAS, E. C.; PRDANOV, C. C. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2. ed. 2013. – Universidade FEEVALE, Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, 2013.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos da Metodologia Científica. 5. ed. 2003. Editora Atlas S.A., São Paulo, 2003.

LUCCHESI, M.; MALIK, A. M. Viabilidade de unidades psiquiátricas em hospitais gerais no Brasil. Rev. Saúde Pública, v. 43, n. 1, p. 161-168, fev. 2009.

OLIVEIRA, G. L. et al. Saúde mental e a continuidade do cuidado em centros de saúde de Belo Horizonte, MG. Rev. Saúde Pública, v.42, n.4, p. 707-716, ago. 2008.

PRESOTTO, R. F. et al. Experiências brasileiras sobre participação de usuários e familiares na pesquisa em saúde mental. Ciênc. saúde coletiva, v. 18, n. 10, p. 2837-2845, out. 2013.

WEBER, R. et al. Saúde Mental no SUS: acesso ao tratamento e mudança do modelo de atenção. OMS, 2007


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Copyright (c) 2017 Matheus Costa Cabral, Mariana Almeida Giffoni, France Araújo Coelho, Roberta Feital Xavier, Ronaldo Afonso Torres, Elaine Teixeira Fernandes, Carlos Eduardo S. G. Cruz, Bruno dos Santos Farnetano, Jorge de Assis Costa, Maria Augusta C. Andrade Oliveira