ANATOMIA MACROSCÓPICA, MICROSCÓPICA, VASCULAR E ENVOLTÓRIOS MENÍNGEOS DA MEDULA ESPINHAL – orientações para o estudante de medicina

Matheus Costa Cabral, Renan Liboreiro Kilesse, Andressa Antunes Prado de França, Cristiano Andrade Quintão Coelho Rocha, Ronaldo Afonso Torres, Alice Abranches A. de Castro, Elaine Teixeira Fernandes, Márcio Luiz Rinaldi, Filipe Moreira de Andrade

Resumo


INTRODUÇÃO: A medula espinhal é o órgão do sistema nervoso central que apresenta menor modificação durante o desenvolvimento embrionário, sendo estruturalmente simples em relação aos demais órgãos desse sistema.

OBJETIVO: O objetivo do presente estudo é realizar uma revisão literária sobre a macroscopia, microscopia, vascularização e os envoltórios meníngeos da medula espinhal.

MÉTODOS: O presente estudo consiste em uma revisão de literatura realizada através da busca de artigos científicos nas bases de dados ScIELO e PubMed, utilizando descritores do DeCS (Descritores em ciências da Saúde) e MeSH (Medical Subject Headings).

RESULTADOS: Macroscopicamente, a medula espinhal é divida em substância branca e substância cinzenta, esta sendo composta por um conjunto de corpos de neurônios e aquela por um conjunto de axônios organizados em tratos e fascículos ascendentes e descendentes. Microscopicamente, a substância cinzenta é dividida em colunas. Já a substância branca possui é microscopicamente dividida em função das conexões que os tratos e fascículos fazem com órgãos supramedulares do sistema nervoso central. A vascularização da medula se origina em grande parte da artéria vertebral direita e vertebral esquerda e das artérias segmentares do pescoço, tórax e abdômen. Em relação aos envoltórios meníngeos, a medula é revestida por três membranas meníngeas, sendo a pia-máter a mais interna, a dura-máter a mais externa e entre essas duas membranas há a aracnoide.

CONCLUSÃO: O estudo das características morfológicas da medula espinhal é de suma importância no entendimento das alterações características da disfunção ou lesão de segmentos medulares específicos.


Palavras-chave


medula espinhal; macroscopia da medula espinhal; vascularização da medula espinhal; tratos e fascículos medulares; meninges.

Texto Completo:

PDF

Referências


Amato ACM, Stolf NAG. Anatomia da circulação medular. J Vasc Bras. 2015; 14(3):248-252.

Cho TA. Spinal cord functional anatomy. Continuum (Minneap Minn). 2015; 21(1):13–35.

Defino H. Trauma raquimedular. Revista da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. 1999; 32(4):388-400.

Fernando M, Graciela M, Panuncio A, Sebastián L. Revisión anatomo-clínica de las meninges y espacios intracraneanos con especial referencia al hematoma subdural crónico. Revista Mexicana de Neurociencia. 2008; 9(1):47-60.

Hotson G, Anderson WS. Bypassing the Spinal Cord: Functional Electrical Stimulation Guided by Electrocorticography Decoding. Neurosurgery. 2012; 71 (6):17-18.

Molliqaj G, Payer M, Schaller K, Tessitore E. Acute traumatic central cord syndrome: A comprehensive review. Neurochirurgie. 2014; 60 (1-2):5–11.

Netra R, Min L, Shao HM, Wang JC, Bin Y, Ming Z. Spinal extradural meningeal cysts: an MRI evaluation of a case series and literature review. J Spinal Disord Tech. 2011; 24(2):132-136.

Orhan B, Alireza M, Pruitt AA. The Spinal Cord: A Review of Functional Neuroanatomy. Neurologic Clinics. 2013; 31(1):1–18.

Pearce JM. The development of spinal cord anatomy. Eur Neurol. 2008; 59(6):286–291.

Rubin MN, Rabinstein AA. Vascular Diseases of the Spinal Cord. Neurologic Clinics. 2013; 31(1):153–181.

Sousa EPD, Araújo OF, Sousa CLM, Muniz MV, Oliveira IR, Neto NGF. Principais complicações do traumatismo raquimedular nos pacientes internados na unidade de neurocirurgia do Hospital de Base do Distrito Federal. Com. Ciências Saúde. 2013; 24(4):321-330.

Tokmak M, Ozek E, Iplikcioglu AC. Spinal Extradural Arachnoid Cysts: A Series of 10 Cases. J. Neurol Surg. A Cent. Eur. Neurosurg. 2015; 76(5):348-352.

Zhang S, Wadhwa R, Haydel J, Toms J, Johnson K, Guthikonda B. Spine and Spinal Cord Trauma: Diagnosis and Management. Neurologic Clinics. 2013; 31(1):183–206.

Zhao W, Cohen-Adad J, Polimeni JR, Keil B, Guerin B, Setsompop K, Serano P, Mareyam A, Hoecht P, Wald LL. Nineteen-channel receive array and four-channel transmit array coil for cervical spinal cord imaging at 7T. Magn Reson Med. 2014; 72(1):291–300.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Copyright (c) 2017 Matheus Costa Cabral, Renan Liboreiro Kilesse, Andressa Antunes Prado de França, Cristiano Andrade Quintão Coelho Rocha, Ronaldo Afonso Torres, Renato Gomes Pereira, Elaine Teixeira Fernandes, Márcio Luiz Rinaldi, Filipe Moreira de Andrade