CONHECIMENTO E USO PRÉVIO DE MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS POR ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE UBÁ

Letícia Magalhães de Almeida, Lívia Lopes Barreiros, Roberta Feital Xavier, Márcio Luiz Rinaldi, Mara Lúcia Farias Lopes e Silva, Andressa Antunes Prado de França, Glauco Teixeira Gomes da Silva, Pedro Henrique D´Avila Costa Ribeiro, Lívia Beatriz Almeida Fontes

Resumo


Introdução: A utilização de métodos contraceptivos possibilitou à mulher maior controle sobre a decisão de ser mãe. Entretanto, a gestação na adolescência é atualmente um problema de saúde pública, sendo de fundamental importância o conhecimento por parte dos jovens do mecanismo de ação desses fármacos, assim como efeitos adversos e possíveis interações sejam elas medicamentosas ou não. Objetivos: Avaliar o conhecimento e uso prévio de métodos anticoncepcionais entre as adolescentes do primeiro ano do ensino médio de uma escola pública no município de Ubá-MG. Metodologia: Foi realizado um estudo transversal, descritivo, prospectivo com abordagem quantitativa. Foram aplicados dois questionários, um antes e outro após a realização de uma palestra explicativa sobre métodos contraceptivos, com 48 adolescentes. Resultados: A idade média observada foi de 15,125. Das adolescentes entrevistadas, 27,08% (13) fazem uso de métodos contraceptivos, sendo 61,54% (8) utilizaram anticoncepcional oral, 38,46% (5) usaram camisinha, e 10,42% (5) utilizaram a pílula do dia seguinte. Após a palestra, 46 (95,83%) das entrevistadas responderam que ela foi esclarecedora quanto às interações medicamentosas. Quando questionadas sobre o conhecimento dos métodos apresentados na palestra, somente 8 (16,67%) responderam que conheciam todos os métodos. Conclusão: A saúde sexual do adolescente precisa ser mais abordada, pois existem poucos programas e incentivos educacionais a respeito desse tema destinados a essa faixa etária.


Palavras-chave


Adolescentes; Anticoncepção; Métodos contraceptivos

Texto Completo:

PDF

Referências


- Who Health Organization. Married adolescents: no place of safety. Geneva: World Health Organization; 2006.

- Romero KT, Medeiros EHGR, Vitalle MSS, Wehba H. O conhecimento das adolescentes sobre questões relacionadas ao sexo. Rev Assoc Med Brás.; 53(1):14-9. 2007.

- Brasil. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Secretaria de Atenção à Saúde. Ministério da Saúde. Pré-natal e puerpério - atenção qualificada e humanizada - manual técnico. Distrito Federal(Brasília): Ministério da Saúde, 2005.

- Benfam (Sociedade Civil do Bem Estar Familiar no Brasil). PesquisaNacional de Demografia e Saúde 2006. Rio de Janeiro, 2007.

- Giordano M.V.; Giordano L.A. Contracepção na adolescência. Revista oficial do núcleo de estudos da saúde do adolescente/UERJ. v. 6, n. 4, dez. 2009.

- Vieira EL, Pessoa GRS, Vieira LL, Carvalho WRC, Firmo WCA. Uso e Conhecimento sobre métodos contraceptivos de estudantes da rede de ensino pública e privada do município de Bacamal-MA. Revista Científica do ITPAC, Araguaína, v.9, n.2, Pub.10,pg. 88, 2016.

- Silva LF, Araújo LP. Conhecimento e adesão de mães adolescentes acerca do planejamento familiar. Monografia (Bacharelado em Enfermagem) - Universidade Estadual do Maranhão, Caxias-MA, 2010.

- Silva MRB, Silva LA, Maturana HCA, Silva RB, Santos ME, Figueiredo Filho V. Porque elas não usam?: Um estudo sobre a não adesão das adolescentes ao preservativo e suas repercussões. Saúde em Redes. 1 (4): 75 – 83, 2015.

- Osis MJD, Duarte GA, Crespo ER, Espejo K, Pádua KS. Escolha de métodos contraceptivos entre usuárias de um serviço público de saúde, Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(6):1586-1594, nov-dez, 2004.

- Alves AS, Lopes MHBM. Locus de Controle e escolha do método anticoncepcional. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 60, n. 3, p. 273-278; 2007.

- Vieira EM, et al. Características do uso de métodos anticoncepcionais no Estado de São Paulo. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 36, n. 3, p. 263-270, 2002.

-Cunnington AJ. What’s so bad about teenage pregnancy? J FamPlannReprod Health Care. Jan;27(1):36-41. 10, 2001.

-Goodyear RK, Newcomb MD, Locke TF.Pregnant Latina Teenagers: Psychosocial and Developmental Determinants of How They Select and Perceive the Men Who Father Their Children. J Couns Psychol. 49:187-201. 11, 2002.

-Lawlor DA, Shaw M. Teenage pregnancy rates: high compared with where and when? J R Soc Med. Mar;97(3):121-3, 2004.

-Brasil. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Secretaria de Atenção à Saúde. Ministério da Saúde. Pré-natal e puerpério - atenção qualificada e humanizada - manual técnico. Distrito Federal(Brasília): Ministério da Saúde, 2005.

-Alves CA, Brandão ER. Vulnerabilidades no uso de métodos contraceptivos entre adolescentes e jovens: interseções entre políticas públicas e atenção à saúde. Ciênc. saúde coletiva. Abr; 14(2): 661-70, 2009.

-Silva, F. C. et al . Diferenças regionais de conhecimento, opinião e uso de contraceptivo de emergência entre universitários brasileiros de cursos da área de saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 26, n. 9, Set. 2010.

-Sanfilippo, J.; Downing, D. Emergency contraception: when and how to use it. J Fam Pract; v.57 (2 Supl):S25-36; 2008.

-Rang, H. P; Dale M. M; Ritter J. M; Moore P. K. Farmacologia. 5 ª ed., Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

-Cabral, C. S. Contracepção e gravidez na adolescência na perspectiva de jovens país de uma comunidade favelada do Rio de Janeiro. Caderno de Saúde Pública. v. 19 supl. 2. Rio de Janeiro, 2003.

-Ministério da saúde. Marco Teórico e Referencial: saúde sexual e saúde reprodutiva de adolescentes e jovens. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Copyright (c) 2018 Letícia Magalhães de Almeida, Lívia Lopes Barreiros, Roberta Feital Xavier, Márcio Luiz Rinaldi, Mara Lúcia Farias Lopes e Silva, Andressa Antunes Prado de França, Glauco Teixeira Gomes da Silva, Pedro Henrique D´Avila Costa Ribeiro, Lívia Beatriz Almeida Fontes