SÍFILIS CONGÊNITA COMO UMA ETIOLOGIA PARA MICROCEFALIA

Eliseu Gabriel Lima, Vitor Azevedo Sarmento, Vinicius josé Souza, Iago Gonçalves

Resumo


A sífilis é uma doença infecciosa sexualmente transmissível que se desenvolve em três estágios e pode acometer o sistema cardiovascular, pulmonar, ósseo e neurológico. Foi relatado o caso de uma criança do sexo feminino de 1 ano e 11 meses de idade admitida no setor de internação pediátrica do Hospital Santa Izabel previamente diagnosticada com sífilis congênita em testes sorológicos e VDRL (Venereal Disease Research Laboratory), e posteriormente por meio de exame Ultrassonografia Transvaginal (USTV) que o feto em questão apresentava microcefalia. Até realização do parto cesariano aos 5 meses não ouve mais nenhuma intercorrência. A partir de exames e avaliação física a beira do leito, paciente foi diagnosticada com regular estado geral (REG), microcefalia, sífilis, pneumonia e crises convulsivas. Devidamente medicada e tratada para pneumonia, sífilis e as crises convulsivas, a criança foi liberada e atualmente encontra-se sob tratamento em nível domiciliar com oxigênio e acompanhamento ambulatorial.


Palavras-chave


Sífilis congênita, microcefalia

Texto Completo:

PDF

Referências


• AZEVEDO, Andréa Casagrande et al. Evolução da qualidade das informações das declarações de óbito com menções de sífilis congênita nos óbitos perinatais no Brasil. Cad. saúde colet., Rio de Janeiro , v. 25, n. 3, p. 259-267, July 2017

• CAVALCANTE, Patrícia Alves de Mendonça, Pereira, Ruth Bernardes de Lima e Castro, José Gerley Diaz. Sífilis gestacional e congênita em Palmas, Tocantins, 2007-2014 * * Este trabalho é parte integrante do Trabalho de Conclusão de Curso de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva com Ênfase em Vigilância em Saúde, da autora Patrícia Alves de Mendonça Cavalcante, apresentado à Fundação Escola de Saúde Pública e Centro Universitário Luterano de Palmas em 2015. O estudo recebeu financiamento da Fundação Escola de Saúde Pública/Fundo Municipal de Saúde: Processo no 413017193. Epidemiologia e Serviços de Saúde [online]. 2017, v. 26, n. 2

• RAMOS JR., Alberto Novaes et al. Control of mother-to-child transmission of infectious diseases in Brazil: progress in HIV/AIDS and failure in congenital syphilis. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, supl. 3, p. S370-S378, 2007

• DOMINGUES, Rosa Maria Soares Madeira; LEAL, Maria do Carmo. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 32, n. 6, e00082415, 2016

• Sífilis: Estratégias para Diagnóstico no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, Coordenação de Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids. 2010. 100 p.(Série TELELAB) (Organização Mundial da Saúde)

• CHESSON, H.W.; HEFFELFINGER, J.D.; VOIGT, R.F.; COLLINS, D. Estimates of primary and secondary syphilis rates in persons with HIV in the United States, 2002. Sex Transm Dis. 2005; 32:265-9.

• AVELLEIRA, João Carlos Regazzi; BOTTINO, Giuliana. Sífilis: diagnóstico, tratamento e controle. An. Bras. Dermatol., Rio de Janeiro, v. 81, n. 2, p. 111-126, Mar. 2006

• SERAFIM, Anie Savi et al. Incidence of congenital syphilis in the South Region of Brazil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop.,Uberaba, v. 47, n. 2, p. 170-178, Apr. 2014


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Copyright (c) 2020 Eliseu Gabriel Lima, Vitor Azevedo Sarmento, Vinicius josé Souza, Iago Gonçalves