Aspectos epidemiológicos e distinção entre Chikungunya, Dengue e Zika Vírus

Joice de Fátima Laureano Martins da Silva, Kamilla Milione Nogueira Reis, Letícia Vieira da Silva, Alan Herto da Silva, Alexandra Roberta da Cruz, Jonas Bresciani Padilha, Rodrigo de Barros Freitas

Resumo


Introdução: As doenças Chikungunya, Dengue e Zika apresentam uma tríade de doenças com uma característica em comum, pois apresentam o mesmo vetor o Aedes aegypti. Porém, os vírus são diferentes e as doenças apresentam manifestações e sequelas distintas. Objetivos: Informar as diferenças entre essas doenças, a grande incidência anuais e profilaxia. Metodologia: Utilizou-se artigos científicos Pubmed, Scielo e literatura impressa. Publicados entre os anos de 2007 a 2020 e a metodologia do pensamento sistêmico para confecção do ciclo de causalidade. Desenvolvimento: A Dengue assola a população há anos, sendo diagnosticados surtos com casos graves que evoluem para óbitos. Nos últimos anos o Zika vírus tem chamado a atenção por sua relação com casos de microcefalia em bebês de gestantes que foram contaminadas durante a gestação. Da mesma forma devido as complicações decorrentes da Chikungunya notou-se que essa doença também apresenta importante impacto social e na saúde pública. Em relação aos aspectos imunológicos existem diversos mecanismo de invasão e tropismo que ainda não foram elucidados, isso sugere a existência de possíveis vias terapêuticas ainda desconhecidas. Recentemente, foi aprovada a vacina para dengue podendo ser administrada em pessoas pré-expostas e é oferecida por serviços privados. Conclusão: Dados dessa revisão é possível identificar variáveis que podem ser utilizadas para impulsionar o pensamento sistêmico e ciclo de causalidade com intuito da busca da qualidade de vida, bem como conhecimento dessas três patologias é de suma importância para estimular órgãos governamentais para agir em ações de prevenção e erradicação dessas doenças.


Palavras-chave


Chikungunya, Dengue e Zika Vírus

Texto Completo:

PDF

Referências


Organização mundial de saúde. Dengue and severe dengue, 2016.

Vasconcelos PFDC. Doença pelo vírus Zika: um novo problema emergente nas Américas?. Revista Pan-amazônica de Saúde. 2015 Jun; 6(2) 9-10.

Organização mundial de saúde. Dengue/dengue haemorrhagic fever, 2016.

Donalisio MR, Freitas ARR. Chikungunya in Brazil: an emerging challenge. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2015 Mar; 18(1)283-285.

Ventura CV, Maia M, Ventura BV, Linden VVD, Araújo EB, Ramos RC, et al . Ophthalmological findings in infants with microcephaly and presumable intra-uterus Zika virus infection. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia. 2016 Jan/Feb; 79( 1 ): 1-3.

Wenham C, Lotta G, Pimenta D. Mosquitos e Covid19 são uma bomba-relógio para a América Latina. LSE Latin America and Caribbean Blog [periódicos na Internet]. 2020 [acesso em 27 mai 2020]; Disponível em: http://eprints.lse.ac.uk/104441/1/latamcaribbean_2020_04_06_mosquitos_e_covid_19_sao_uma_bomba_relogio.pdf

Griffith JJ [homepage na internet]. A disciplina do pensamento sistêmico. Viçosa, MG; Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Engenharia Florestal, 2008 [acesso em 01 jun 2020] . Disponível em: http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/bitstream/handle/123456789/10754/Texto_Griffith_A-Disciplina-do-Pensamento-Sistemico.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Senge PM. A quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende. 25 edição. São Paulo: Best Seller, 2009.

Bhatt S, Peter WG, Oliver JB, Jane PM, Andrew WF, Catherine LM, et al. The global distribution and burden of dengue. Nature. 2013 Abr; 496(07446): 504-507.

Ministério da saúde. Monitoramento dos casos de arboviroses urbanas transmitidas pelo Aedes (dengue, chikungunya e Zika): Boletim epidemiológico, Brasília, DF: O Ministério; 2020.

Oliveira CS, Vasconcelos PFC. Microcefalia e vírus zika. Jornal de Pediatria. 2016 Mar/Apr; 92( 2 ): 103-105.

Honório NA, Câmara DCP, Calvet GA, Brasil P. Chikungunya: uma arbovirose em estabelecimento e expansão no Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 2015 May; 31( 5 ): 906-908.

Nóbrega MEB, Araújo ELL, Wada MY, Leite PL, Dimech GS, Pércio J. Surto de síndrome de Guillain-Barré possivelmente relacionado à infecção prévia pelo vírus Zika, Região Metropolitana do Recife, Pernambuco, Brasil, 2015. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2018 Jone; 27( 2 ): e2017039

Korzeniewski K, Dariusz J, Ewa Z. Zika — another threat on the epidemiological map of the world. International maritime health. 2016 Mar;67(1):31-37.

Chaves MRO, Bernado AS, Bernado CD, Filho JFD, Paula HSC, Passos XS. Dengue, Chikungunya e Zika: a nova realidade brasileira. NewsLab p. 132–146, 2015.

Lee RCH, Hapuarachchi HC, Chen KC, Hussain KM, Chen H, Low SL, et al. Mosquito Cellular Factors and Functions in Mediating the Infectious entry of Chikungunya Virus. Public Library of Science Neglected Tropical Diseases. 2013 Fev; 7(2):e2050.

Azevedo RSS, Oliveira CS, Vasconcelos PFC. Risco do Chikungunya para o Brasil. Revista de Saúde Pública. 2015 Sep 49(58):1-6.

Lanciotti RS, Kosoy OL, Laven JJ, Velez JO, Lambert AJ, Johnson AJ et al. Genetic and Serologic properties of Zika Virus associated with an Epidemic, Yap State, Micronesia, 2007. Emerging Infectious Diseases. 2008 Ago; 14(8) 1232-1239.

Nhana T, Cao-Lormeaub V, Musso D. Les infections à virus Zika. Revue Francophone dês Laboratoires. 2014 Dez; 2014(467) 45-52.

Atkinson B, Atkinson B, Hearn P, Afrough B, Lumley S, Carter D, Aarons EJet al. Detection of Zika Virus in Semen. Emerging Infectious Diseases. 2016 Mai; 22(5) 940.

Petersen LR, Jamieson DJ, Powers AM, Honein MA. Zika Virus. The New England Journal Of Medicine. 2016 Abr; 374(16)1552-1563.

Cruz-Oliveira C, Freire JM, Conceição TM, Higa LM, Castanho MARB, Poianet AT. Receptors and routes of dengue virus entry into the host cells. FEMS Microbiology Reviews. 2014 Dez 39(2)155-170, 22 dez. 2014.

Puccioni-Sohler M, Rosadas C. Advances and new insights in the neuropathogenesis of dengue infection. Arquivo de Neuropsiquiatria. 2015 Abr; 73(8) 698-703.

Dias LBDA, Almeida SCL, Haes TM, Mota LM, Roriz-Filho JS. Dengue: Transmissão, aspectos clínicos, diagnóstico e tratamento. Medicina. 2010 Jun; 43(2) 143-152, 2010.

Anaya J, Carolina Ramirez-Santana C, Salgado-Castaneda I, Chang C, Ansari A, Gershwin ME. Zika virus and neurologic autoimmunity: the putative role of gangliosides. Biomed Central Medicine. 2016 Mar; 14(1)49-51.

Schwartz LM, Halloran ME, Durbin AP , Longini IM. The dengue vaccine pipeline: Implications for the future of dengue control. Vaccine. 2015 Jun; 33(29)3293-3298.

Ministério da Saúde. Febre de Chikungunya manejo clínico. Brasília, DF: O Ministério; 2017.

IOOS S, Mallet HP, Goffart IL, Gauthier V, Cardoso T, Herida M. Current Zika virus epidemiology and recent epidemics. Médecine Et Maladies Infectieuses. 2014 Jul.44(7)302-307.

Luz KG, Santos GIV, Vieira RM. Febre pelo vírus Zika. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2015 out-dez; 24(4)785-788.

Figueiredo MLG, Figueiredo LTM. Emerging alphaviruses in the Americas: Chikungunya and Mayaro. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2014 Dez; 47(6)677-683.

Ministério da Saúde. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. Brasília, DF: O Ministério; 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Copyright (c) 2021 Joice de Fátima Laureano Martins da Silva, Kamilla Milione Nogueira Reis, Letícia Vieira da Silva, Alan Herto da Silva, Alexandra Roberta da Cruz, Jonas Bresciani Padilha, Rodrigo de Barros Freitas