ARTIGO REVISÃO – Aleitamento materno: aspectos gerais da importância a contraindicação

Joice de Fátima Laureano Martins da Silva, Kamilla Milione Nogueira Reis, Mariany Milione Nogueira Reis, Tiago Freitas Melo, Layla Marques de Oliveira, Maria Augusta Coutinho de Andrade Oliveira

Resumo


Introdução: O Leite Materno (LM) é o melhor alimento para o recém-nascido, sendo considerado como estratégia de grande impacto na redução da mortalidade em crianças menores de 5 anos. Possui fatores anti-infecciosos presentes tanto no colostro quanto no leite maduro conferindo imunoproteção, além de atuar no vínculo afetivo do binômio, recém-nascido e mãe. Objetivos: Informar sobre importância do aleitamento materno em diferentes aspectos, entre eles, emocional e imunológico, orientando  sobre a técnica correta de amamentação,  e relatando contraindicação e recomendações em relação ao aleitamento materno e COVID-19. Metodologia: Utilizou-se artigos científicos Pubmed, Scielo e literatura impressa. Publicados entre os anos de 1992 a 2020. Desenvolvimento: A prática da amamentação é incentivada utilizando embasamento científico o qual revela a importância do aleitamento para o binômio mãe e filho. Existe diferenças nutricionais entre LM e o leite de vaca, sendo que LM contém imunoglobulinas, melhor absorção intestinal dos fatores de proteção, menor tempo de esvaziamento gástrico, maior biodisponibilidade de ferro entre outros fatores. Um adequado posicionamento da criança com técnica correta contribui para o sucesso da amamentação. Embora importante amamentar, existe casos específicos em que é contraindicado o LM, como quando a mãe é portadora de HIV ou HTLV. No entanto, nem toda infecção é contraindicado à exemplo é possível dar continuidade a amamentação para mães que são infectadas pelo SARS-CoV2 (COVID-19). Conclusão: Em virtude de tamanha importância da amamentação recentemente essa revisão tem como função relatar aspectos importantes sobre a amamentação com intuito de ressaltar essa prática e que esta não seja abandonada.


Palavras-chave


COVID-19, Relações Mãe-Filho, Saúde da Criança.

Texto Completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

Boccolini CS, Carvalho ML, Oliveira MIC, Vasconcellos AGG. Fatores associados à amamentação na primeira hora de vida. Rev Saude Publica. 2011;45(1):69–78.

Victora CG, Barros AJD, França GVA, Bahl R, Rollins NC, Horton S, et al. Amamentação no século 21: epidemiologia, mecanismos e efeitos ao longo da vida. Epidemiol e Serviços Saúde. 2016; 2(1):1–24.

Andreas NJ, Kampmann B, Le-Doare KM. Human breast mil: A review on its composition and bioactivity. Early Human Development, Science Direct. 2015, nov; 91(11): 629-635.

Pontes AM, Lucena KDT, Silva ATMC, Almeida LR, Deininger LSC. The repercussions of exclusive breastfeeding in children with low birth weight. Saúde Debate. 2013;37(97):354–61.

Margotti E, Margotti W. Fatores relacionados ao Aleitamento Materno Exclusivo em bebês nascidos em hospital amigo da criança em uma capital do Norte brasileiro. Saúde Debate. 2017; 41(114):860-871.

Silva VAAL, Caminha MFC, Silva SL, Serva VMSBD, Azevedo PTACC, Batista FM. Aleitamento materno: indicadores e fatores associados à amamentação exclusiva num aglomerado urbano subnormal assistido pela Estratégia de Saúde da Família. J. Pediatr. 2019; 95(3):298-305.

Suárez-Cotelo MDC, Movilla-Fernández MJ, Pita-García P, Arias BF, Novío S. Conhecimentos sobre aleitamento e a relação com a sua prevalência. Rev. Esc. Enferm. 2019; 53:e03433.

Peixoto LO, Azevedo DV, Britto LF, Vasconcelos IN. “Leite materno é importante”: o que pensam as nutrizes de Fortaleza sobre amamentação. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. 2019; 19(1):165-172.

Almeida JM, Luz SAB, Ued FV. Apoio ao aleitamento materno pelos profissionais de saúde: revisão integrativa da literatura. Rev. Paul. Pediatr.2015; 33(3): 355-362.

WHO. Indicators for assessing infant and young child feeding practices - part 1 definitions : conclusions of a consensus meeting held 6–8 November 2007 in Washington D.C., USA. World Heal Organ. 2008;19.

Vitolo, M.R. Nutrição da Gestação á adolescência. Rio de Janeiro. Reichmann & Autores. Editores, 2003. 322p.

Filho JM, Almeida EA. O contato precoce mãe-filho e sua contribuição para o sucesso do aleitamento materno, Rev. Cienc. Méd., Campinas. 2004; 13(4):381-388.

Schanler R, Lau C, Hurst N, O’Brian SE. Randomized trial of donor human milk versus preterm formula as substitutes for mothers' own milk in the feeding of extremely premature infants. Pediatrics 2005; 116: 400–406.

Laurindo VM, Calil T, Leone CR, Ramos JLA. Composição nutricional do colostro de mães de recém nascidos de termo adequados e pequenos para a idade gestacional. II - Composição nutricional do leite humano nos diversos estágios da lactação. Vantagens em relação ao leite de vaca. Revisões e Ensaios, 1992.

Silva DG, Sá CMMN, Priore SE, Franceschini SCC, Devincenzi MU. Ferro no leite materno: conteúdo e biodisponibilidade. Nutrire: Rev. Soc. Bras. Alim. J. Brazilian Soc. Food Nutr. São Paulo.2002; 23:93-107.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Brasília, 2006 (Série Tecnologia em Serviços de Saúde).

Bosco, Simone Morelo Dal e Conde, Simara Rufatto. Nutrição & Saúde.1ª ed. Univates. Lajeado; 2013.

Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ER. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.

Ballard OJD, Morrow AL. Human Milk Composition: Nutrients and Bioactive Factors. Pediatric Clinics of North America, Science Direct. 2013; 60(1): 49-74.

WHO/OPHAS. Aleitamento materno nos primeiros anos de vida salvaria mais de 820 mil crianças menores de cinco anos em todo o mundo, 2018. https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5729:aleitamento-materno-nos-primeiros-anos-de-vida-salvaria-mais-de-820-mil-criancas-menores-de-cinco-anos-em-todo-o-mundo&Itemid=820

Vieira GO, Silva LR, Almeida JAG. Urgências Clínicas e Cirúrgicas em Gastroenterologia e Hepatologia Pediátricas. 1ª.ed. Guanabara Koogan, 2004. 1404 p.

Macpherson AJ, Koller Y, Mccoy KD. The bilateral responsiveness between intestinal microbes and IgA. Trends in immunology. 2015; 36(8): 460-470.

Vitolo MR. Nutrição da Gestação a adolescência. Rio de Janeiro. Reichmann & Autores. Editores. 2ª ed. Rúbio, 2014. 648 p.

Bedani R, Rossi EA. Microbiota Intestinal e Probióticos: Implicações sobre o câncer de cólon. GE J Port Gastrenterol. 2009; 15: 19-28.

Vrieze A. et al. The environment within: how gut microbiota may influence metabolism and body composition. Diabetologia. 2010 Apr; 53(4): 606–613.

Perez HJ, Menezes ME, D’Acâmpora AJ. Microbiota intestinal: Estado da arte. Acta Gastroenterológica Latinoamericana, 2014; 44(3): 265-272.

Stiemsma LT, Michels KB. The Role of the Microbiome in the Developmental Origins of Health and Disease. American Academy of Pediatrics. 2018 Apr; 141(4): e20172437.

Euclydes MP. Nutrição do lactente: Base científica para uma alimentação adequada. 2. ed. rev. atual. Viçosa: Suprema, 2000. p. 259- 339.

Gurtler JB, Kornacki JL, Beuchat LR. Enterobacter sakazakii: a coliform of increased concern to infant health. International Journal of Food Microbiology. 2005; 104:1-34.

Martins JFL. Antagonismo de Bifidobacterium spp. e de Lactobacillus gasseri sobre Cronobacter sakazakii . Viçosa, MG: UFV, 2009. 96 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

Rollins NC, Bhandari N, Hajeebhoy N, Horton S, Lutter CK, Martines JC et al. Why

invest, and what it will take to improve breastfeeding practices? Lancet. 2016;

(10017): 491-504.

Bruckmaier RM, Blum, JW. Normal and disturbed milk removal in dairy 17 cows, in: Symposium on milk synthesis, secretion and removal in 18 ruminants. Univ. of Berne, School of Veterinary Medicine, Berne, Switzerland, pp. 19: 37-42.

Weigert RML, Giugliani RR, Franca MCT, Oliveira LD, Bonilha A, Espirito Santo LC, et al, Influência da técnica de amamentação nas freqüencias de aleitamento materno exclusivo e lesões mamilares no primeiro mês de lactação. Pediatr, 2005; 81(40):l0-6.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasilia: Ministério da Saúde: 2009; 23:112 ( Série A. Normas e Manuais Técnicos. Cadernos de Atcncáo Básica, n" 23).

Lemos NDCB, Monteiro JPA, Anjos FBR. Breastfeeding: Benefits, Preparation and Techniques. Open Journal of Maternal and Child Health, 2018, 1:1.

Sociedade Brasileira de Pediatria. https://www.sbp.com.br/especiais/pediatria-para-familias/nutricao/quando-amamentar-e-contraindicado/

Sociedade Brasileira de Pediatria. Nota de Alerta: O Aleitamento Materno nos Tempos de Covid-19, no 9 março, 2020.

Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Interim Considerations for Infection Prevention and Control of Coronavirus Disease 2019 (COVID-19) in Inpatient Obstetric Healthcare Settings. Disponível em: https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/inpatient-obstetric-healthcare-guidance.html. Acessado em 12/3/2020 .

Chen H, Guo J, Wang C, et al. Clinical characteristics and intrauterine vertical transmission potential of COVID-19 infection in nine pregnant women: a retrospective review of medical records. Lancet. 2020; 395: 809–15.

Mary Ann Liebert, Inc. Breastfeeding Medicine. Coronavirus Treatment and Risk to Breastfeeding Women. Press release [online]. New Rochelle: NY; 2020. Disponível em: https:// home.liebertpub.com/news/coronavirus-treatment-and-risk-to-breastfeeding-women/3662. Acessado em 12/03/2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Copyright (c) 2021 Joice de Fátima Laureano Martins da Silva, Kamilla Milione Nogueira Reis, Mariany Milione Nogueira Reis, Tiago Freitas Melo, Layla Marques de Oliveira, Maria Augusta Coutinho de Andrade Oliveira